Transposição do São Francisco 

Sertânia, Novembro de 2014

No Sertão de Pernambuco precisamente em Sertânia, o canal do São Francisco rasga e estupra a terra como dizem os próprios moradores da região. A obra que teoricamente prevê a construção de 700 quilômetros de canal para a irrigação do árido e semi-árido do nordeste é uma incógnita. Tanto com relação ao seu custo exorbitante, quanto ao seu término. A cultura da não audição das necessidades e quereres das populações que emergem das regiões por onde passam as obras do PAC são uma sina no Brasil. A exemplo de Belo Monte a transposição do Rio São Francisco é uma violação dos direitos das populações tradicionais e dos recursos naturais do nosso país. Essas obras arrastam milhares de trabalhadores para as regiões e canteiros de obras que devastam as jovens e adolescentes das cidades, os estupros, abusos sexuais, abusos morais, o uso descontrolado de drogas faz parte da normalidade nessas grandes construções. Ao fim das obras, os trabalhadores retornam para suas cidades natais e deixam crianças e adolescentes grávidas sem registro de paternidade, tendo seus direitos violados. Já dizia um cientista que: "A pior violação que existe é a do corpo". Esses são somente alguns problemas dessa longa história.