Terremoto no Equador - 48 horas en Bahía de Caráquez

72 horas depois do terremoto de grau de 7.8 em escala Richter, que afetou gravemente Manabí, a equipe do Paralelo viajou a província, junto a um grupo de 12 amigos, com o apoio da Câmara da Indústria de Quito para entregar ajuda aos afetados.

Divididos em três carros e caminhões que levavam cerca de 20 toneladas de água e produtos básicos, dirigimos até a Bahia de Caráquez, cidade de quase 20 mil habitantes, localizada entre Manta - principal motor econômico da província - e Pedernales, o povoado mais afetado pelo sismo.

O comboio transportou também kits de primeiro socorros, pomadas, repelentes, roupas, panelas, absorventes, comida para bebes, leite em pó, colchões, lonas, brinquedos e até geradores - um deles instalado na Igreja de Mercedes para seu abastecimento de energia elétrica.

Bahia de Caráquez foi violentamente afetada. Até o momento 12 pessoas haviam perdido suas vidas e 75% das casas foram destruídas, especialmente no mairro Maria Auxiliadora, onde 115 casas estão em ruínas. De acordo com a Secretaria Nacional de Gestão de Riscos (SNGR), as unidades de saúde do Instituto Nacional de Segurança Social não estavam operando (até o momento desta nota) e até o meio dia do dia 21 de abril a energia elétrica estava suspensa em quase toda a cidade.

Além disso o acesso a água potável nas redes domiciliares alcançavam apenas 55% das famílias.

Na noite do dia 20 de abril, membros das Forças Armadas começaram a chegar para garantir a segurança e dar apoio na distribuição de donativos. Na noite de 21 de abril as Forças Armadas começaram a evacuação da região devida a 10 fortes réplicas do terremoto - sendo a maior de 6.8 graus em escala Richter. Ao lados das FA, o Comitê de Operações de Emergência da SNGR preparou albergues em escolas, e até o momento cerca de 700 pessoas foram acolhidas.

Deixamos Bahia de Caráquez na manhã do dia 22 de abril, rumo a Quito. Estas são algumas das imagens que capturamos durante a visita.

Zapato Viejo