Ensaio Coletivo

"SAN LÁZARO, BABALÚ AYÉ" por Leandro Taques

 

Todos os anos, no dia 17 de dezembro, dia de San Lazaro, milhares de pessoas de todas as partes de Cuba fazem uma peregrinação até o Santuário Nacional, em Rincon, um pequeno vilarejo perto de Havana. A procissão vai passando pelo caminho forrado de imagens, altares improvisados, flores, velas e pessoas pedindo dinheiro para remediar seus males. Os peregrinos rezam para pedir graças ao padroeiro das enfermidades. A fumaça das velas e dos charutos se mistura aos odores agridoces do caminho. Mulheres, crianças, homens... gente de todas as classes se juntam como em um só corpo a caminho do santuário a espera que o santo derrame suas bênçãos sobre eles e que seus desejos sejam atendidos.

San Lazaro é um dos santos mais venerados em Cuba. É o protetor dos enfermos, é a personificação dos pobres e excluídos da sociedade. Para os católicos, San Lazaro. Na Santeria, Babalú Ayê. Também chamado de “el viejo” ou ainda “el Milagroso”, o santo atrai uma multidão de seguidores.

Muitos deles são doentes. Realizam a jornada de joelhos ou rastejando, de pés descalços, vestindo roupas feitas de sacos de estopa. Alguns puxam pedras amarradas à seus pés. Outros arrastam correntes por dias ou até semanas. Cada um, à sua forma, demonstrando sua devoção. Todos cumprindo a promessa feita por ter recebido a graça do milagroso.

Mas afinal, quem é San Lazaro? Segundo os católicos, San Lazaro foi um bispo. No altar em Rincon, se vê uma imagem com capa e atributos episcopais. Mas os peregrinos reverenciam outro Lazaro. Um homem pobre, que passou fome. Que comia as migalhas do rico epulão. Um homem coberto de chagas, que os cachorros lambiam para aliviar a dor. Este personagem, da parábola dos evangelhos, é o Lazaro santificado pela tradição popular.

“San Lazaro ajuda e protege quando tudo ou todos não podem mais ajudar”. Essa relação com o santo implica em comportamento específico, uma devoção “fuerte”. É preciso pagar as promessas feitas ao santo”, afirmam os cubanos.

Por dois anos, 2012 e 2014, fotografei a Festa de San Lazaro na ilha caribenha.

Apresento aqui uma seleção deste trabalho.